Dress like you mean it, please

Olho para o lado e toda a gente está vestida de igual forma. É t-shirts de marca, calças justas, leggins pretas ou tops compridos e botas por cima das calças. É cabelos soltos com risco ao lado e brincos que quase rasgam as orelhas. Colares – montes deles – e pulseiras que produzem um som irritante. Padrões tigresa/zebra/ e outros tantos. Isto não é moda, isto é falta de criatividade e originalidade. Isto é falta de personalidade, é falta de estilo. As pessoas vestem aquilo que os outros vestem; “se fica bem a ela também há-de ficar bem a mim”. Mas será que gostam mesmo daquilo que vestem? Quantas pessoas arriscam-se a inovar? A alterar um pouco estes padrões que já chegaram ao vestuário? É que se fugimos um pouco à regra, não sabem fazer mais nada senão criticar, senão dizer que a coisa tal é foleira, que a coisa tal não se usa, que a coisa tal é isto e aquilo. Porquê? Tanta coisa com a liberdade e “cada um veste aquilo que quer que eu não tenho nada a ver com isso” e depois dizem destas. Há situações em que as pessoas mais valem estarem caladas. Quando gostam, gostam, quando não gostam calam-se e engolem em seco. Para quê criticar? É para dar a opinião? É para reforçar a ideia de que estou ridícula? “O que raio é que tens na cabeça?” perguntam-me. Tenho na cabeça o meu estilo, aquilo que gosto, sabem? Não, claro que não sabem. A única coisa que vocês sabem é ir a correr para as lojas copiar o estilo daquela pessoa que viram passar na rua e que adoraram. É o estilo dela, não o vosso. Entendam isto que não é difícil. Caramba, enerva-me. Eu gostava de olhar para o lado e ver dez pessoas diferentes, em vez de dez pessoas iguais. O problema é que ninguém está disposto a mudar. É por isto que admiro – muito – aqueles que têm a coragem de mudar, de vestirem aquilo que lhes vai na alma, aqueles que não têm como base os gostos dos outros. Aqueles que passam e deixam todos os outros a olhar porque simplesmente tem um estilo diferente daquele a que estamos habituados a ver. Admiro essas pessoas: por se afirmarem e expressarem, através das roupas, quem são verdadeiramente. Vestir roupas discretas porque apreciam a sobriedade; vestir roupas espampanantes porque adoram a excentricidade. É simples. Agora por favor, copiar o estilo do vizinho do lado é tão, mas tão feio.

7 comentários:

  1. eu visto-me com as coisas mais simples que andam por aí... e sinto-me bem assim! nunca segui a moda só por toda a gente o fazer porque, para alem do mais, odeio imitações. sou terrivel nisso, absurda até. a partir do momento em que se começam a ver peças de roupa iguais às minhas, deixo de as usar... mas isso também é ridiculo, eu sei...

    ResponderEliminar
  2. muito bom texto! para essa gente dos mil colares e mil brincos, então os rapazes matam-me, adquiri o nome "rapazes ABS" , por causa da discoteca ABS, ahah aí sim, não há um menino diferente, God!

    ResponderEliminar
  3. eu gosto é de comprar um gorro para tapar as orelhas, leva-lo para a faculdade e passado dois dias uma certa pessoa (que não gosta lá muito de mim,(e não tou a ser convencida, its true)), comprar exactamente o mesmo gorro. venham-me dizer que isto é originalidade.
    já falei deste assunto com as minhas amigas. agora é so miudas e miudos de 11 anos a tenatr parecer que tem 24. se vier alguem dizer que têm de usar uniformes ninguem quer usar, porque ah e tal ficam iguais a toda a gente. no entanto, na roupa diaria, vestem-se todos iguais (vá, já vi grupinhos com a mesma roupa mas que variam a cor.).
    enfim.
    ja dizia o meu pai: porca miséria.

    ResponderEliminar
  4. ALELUIA!, rapariga foste a minha voz agora.
    Eu visto o que bem me apetece, e não aquilo que me aconselham a seguir.

    ResponderEliminar
  5. Isto é gente totózinha. Que mal sabe pensar por ela e que de gosto e classe percebem o mesmo que a da pesca de bacalhau em mar alto. :)

    ResponderEliminar
  6. adorei o texto, totalmente de acordo. As pessoas parecem verdadeiros clones, tão iguais entre si. É a diferença e originalidade que que melhoram a nossa vida.

    ResponderEliminar